Ações educativas para divulgar os preconceitos, os conhecimentos tradicionais, as problemáticas e práticas ambientais em comunidades indígenas Potiguaras

Ações educativas para divulgar os preconceitos, os conhecimentos tradicionais, as problemáticas e práticas ambientais em comunidades indígenas Potiguaras


Jozielly Maria Correia da Paz, Meirielly Rayanne Pereira da Cruz, Maria Luíza Nascimento Leal, Natália Gomes Cordeiro. - Estudantes do 1° ano do Curso Técnico Integrado em Meio Ambiente. Alexandra Rafaela da Silva Freire - professora do IFPB


Resumo


Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos, independente da classe, cor, etnia, religião, sexo, língua, opinião política, fortuna ou outra situação. A Declaração dos Direitos Humanos estabelece que não é aceito nem permitido discriminação, independente de qualquer coisa. Isto inclui os povos indígenas, que sofreram injustiças históricas como resultado da colonização e da subtração de suas terras, territórios e recursos, o que lhes tem impedido de exercer, em especial, seu direito ao desenvolvimento, em conformidade com suas próprias necessidades e interesses. De acordo com a Declaração Universal dos Direitos Humanos Indígenas das Nações Unidas, as práticas tradicionais indígenas contribuem para o desenvolvimento sustentável e eqüitativo e para a gestão adequada do meio ambiente. No entanto, as problemáticas e as práticas existentes nas aldeias ainda são muito desconhecidas pelas pessoas. Diante disso, realizou-se este trabalho, cujos objetivos foram tornar conhecidos, por meio da elaboração de um jornal digital, os preconceitos vivenciados pelos indígenas, as dificuldades nas aldeias do litoral norte da Paraíba, bem como os conhecimentos tradicionais, a cultura na comunidade indígena Potiguara, a iniciativa do uso das composteiras e como isso beneficiou a Aldeia Silva (Baía da Traição/PB), em questões de saúde e sustentabilidade. Para a produção do jornal, utilizamos os conhecimentos adquiridos na Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas e na palestra, realizada via Google Meet, com a presença do Sr. Alex Nazário, indígena Potiguara que compartilhou experiências do seu projeto de compostagem de resíduos orgânicos na Aldeia Silva (Baía da Traição/PB) e dos desafios no combate a vetores de doenças em seu trabalho como Técnico em Vigilância em Saúde. Através desta palestra desenvolvemos um jornal usando o aplicativo Canva, cujo nome é MJN NEWS, dedicado às nossas escritoras. A matéria conta como foi feito o projeto da compostagem de resíduos orgânicos, que foi uma alternativa para minimizar a proliferação de vetores de doenças na aldeia, em especial do mosquito palha, que transmite a Leishmaniose. Foram realizadas também, perguntas dos nossos colegas para o Sr. Alex Nazário. A atividade foi acompanhada pela professora Alexandra Rafaela, na disciplina de projeto integrador e envolveu conhecimentos de Português, Inglês e Saúde e Meio Ambiente. A atividade foi excelente, pois nos proporcionou uma troca de informações, e a absorção de vários conhecimentos nunca ouvidos por nosso grupo e nossos colegas. Também gostamos muito da forma em que fizemos a atividade, a elaboração de um jornal foi algo bem diferente e interessante. Gostaríamos que esse jornal ajudasse a informar e conscientizar sobre a realidade e situações recorrentes do dia a dia das aldeias indígenas paraibanas, e se possível influencie os demais setores da sociedade para que ajudem as aldeias indígenas.


Palavras-chave: Inclusão social. Resíduos Sólidos. Meio Ambiente. Direitos Indígenas. Aldeias Indígenas. Desenvolvimento Sustentável. Entrevista. Jornal.


JORNAL (5).pdf