A produção de mídias educativas para dar voz e reconhecer os direitos humanos dos catadores da Associação dos Trabalhadores de Reciclagem de Cabedelo (ASTREC)

Título: A produção de mídias educativas para dar voz e reconhecer os direitos humanos dos catadores da Associação dos Trabalhadores de Reciclagem de Cabedelo (ASTREC)


Beatriz de Souza Silva (3° M.A); Brunno Eduardo Santos Lins (3° M.A); Camilly Noelly dos Santos Lima Silva (3° M.A); Edilson Daniel de Aguiar Marcelino Luiz (2° M.A); Ester do Nascimento Oliveira (3° M.A); Luciene Cosme de Andrade (3° M.A); Helloysa Nayara Ferraz Toscano de Brito (3° M.A); Mithaelly Maria da Silva (3° M.A); Nayane Freitas Oliveira da Silva (3° M.A); Pedro Henrique Gomes Barbosa (3° M.A); Samuel Nicollas Gomes Dornelas (3° R.P B); Yasmim Domingos da Costa (3° M.A); Rosineide Batista da Mota; Alexandra Rafaela da Silva Freire (docente); Silvana Alves dos Santos - Gestora Ambiental da Empasa (parceira social); Maria de Fátima Ferreira de Araújo (parceira social).


Resumo

As associações de catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis fazem parte dos instrumentos da Política Nacional dos Resíduos Sólidos (Lei Federal n. 12.305/ 2010). A implantação da coleta seletiva, a inclusão social e a emancipação econômica destes profissionais devem ser metas dos planos de resíduos sólidos brasileiros. Os profissionais da Associação dos Trabalhadores de Reciclagem de Cabedelo (ASTREC), localizada no Portal do Poço, em Cabedelo-PB, desenvolvem atividades de grande importância socioambiental. Porém, ainda são desconhecidos por uma parte dos moradores destes municípios. Além disso, ainda sofrem muito com os preconceitos e a falta de reconhecimento da importância de seus trabalhos. Diante desta problemática, torna-se necessária a divulgação da importância das associações de catadores perante as comunidades paraibanas, especialmente em Cabedelo. Os objetivos deste trabalho são produzir um telejornal e uma paródia visando mostrar como funcionam as Associações; dar visibilidade aos trabalhadores da ASTREC, mostrando como eles contribuem para a sustentabilidade, além de trazer o conhecimento acerca da exclusão social, os preconceitos e outras formas de violação de Direitos Humanos dos Catadores. Os estudantes realizaram a leitura de materiais sobre os Direitos Humanos dos Catadores e, baseados na cartilha de autoria do Movimento Nacional dos Catadores de Recicláveis e do Centro de Estudos Socioambientais Pangea, elaboraram um roteiro com questões sobre a temática, para entrevistar os catadores da ASTREC, além dos parceiros sociais da Extensão no IFPB que trabalham com a causa (ASCARE, UEPB, EMPASA). Por meio do uso de câmeras de aparelhos de celular e com o auxílio de professores e dos parceiros sociais, foram realizadas gravações de imagens e relatos dos trabalhadores da ASTREC e de profissionais que trabalham com projetos de pesquisa e extensão envolvendo os catadores. As questões foram elaboradas pelo grupo de estudantes, com o auxílio da professora. Como resultados, espera-se dar voz e liberdade de expressão aos catadores, mobilizar a população para refletir sobre a problemática, reconhecer e valorizar o trabalho destes profissionais, e ainda atuar de forma a contribuir para a sustentabilidade socioambiental, por meio da separação dos resíduos recicláveis.


Palavras-chave: Inclusão social. Resíduos Sólidos. Meio Ambiente. Ensino-Pesquisa-Extensão.