Fome no Brasil

Fome no Brasil


Professor Orientador: Thiago Lima

Amanda Rocha Gomes Pinto

Adrian Emanuel Nascimento Trajano

Clarice Chianca Machado

João Felipe da Silva neto

Katarina Câmara Cavalcanti de Lima

Yohana Echila Nascimento dos Santos

Thiago Rangel Silva


Os ODS têm a meta de erradicar a fome e a má-nutrição até 2030, garantindo o acesso a uma alimentação saudável, suficiente e adequada para todas as pessoas, principalmente àquelas em situações vulneráveis, incluindo crianças e idosos.

Nesse contexto, com a saída do Brasil do Mapa Mundial da Fome em 2014, o país chegou a ser destaque no "Relatório de Insegurança Alimentar no Mundo''. No entanto, mesmo que a insegurança alimentar grave tivesse saído por um tempo do quadro de principais problemas nacionais, em seis anos o país retrocedeu de maneira avassaladora. Com o registro de 20 milhões de brasileiros sem uma alimentação nutritiva o suficiente, retomou-se o foco nas questões da fome e da miséria no Brasil, pois ele passou a integrar mais uma vez o mapa da fome. Segundo a FAO, ONU e OMS, a insegurança alimentar quase dobrou, e, desta forma, a situação que um dia foi aplaudida, encontra-se em um estado lastimável.

O intuito do trabalho FOME NO BRASIL, é fazer um panorama atual da insegurança alimentar no país, onde a fome é a realidade de milhões de brasileiros e a situação de pessoas que não comem a quantidade mínima necessária para uma alimentação adequada vem crescendo a cada dia, sendo que alimentação é um direito constitucional previsto na Magna de 1988, mas o alastramento da fome mostra a desestruturação das políticas públicas voltadas aos mais vulneráveis, onde o segundo maior exportador de alimentos no mundo sofre um crescimento absurdo de famílias em situação de insegurança alimentar.

A abordagem utilizada para o tema é um vídeo documental, com ênfase nos conceitos, informações e medidas para enfrentar a situação, salientando dados e pesquisas, aumentando o conhecimento e despertando assim mais interesse para a problemática. É importante ressaltar que o trabalho desenvolvido é um ponto de partida e não o fim do processo, sendo esperado que não passe apenas de um trabalho acadêmico sobre o tema, mas sim um pontapé para mudanças futuras.