Paulo Freire: a história do patrono da educação brasileira


IFPB – CAMPUS CABEDELO


Orientadora: Alessandra Meira de Oliveira


Alunos:

Joás Camilo da Silva Júnior, Matrícula: 202017520037 2RP

Hyvandro Henrique da Silva Alves, Matrícula: 202017520029 2RP

Katiane Pereira Rodrigues, Matrícula: 202017520046 2RP

Kauã Silva Santos, Matrícula: 202017520003 2RP

Kauan Silva de Souza, Matrícula 202017520018 2RP



Paulo Freire: a história do patrono da educação brasileira


A alfabetização e o acesso à educação básica de qualidade ainda não são um direito de todos no Brasil. A falta de investimentos e orçamentos cada vez mais baixos na área da educação tornaram-se ainda mais evidentes durante a pandemia do Coronavírus (COVID 19). Justamente quando a educação básica mais precisava, o governo federal investiu menos nela: 2020 foi o ano com menor investimento do Ministério da Educação (MEC) no ensino básico da década. O resultado é um contrassenso pelo contexto da pandemia, quando as necessidades educacionais aumentaram por causa da adaptação à nova realidade de ensino remoto ou híbrido. Na Declaração Universal dos Direitos Humanos, a educação aparece não apenas como um direito, mas também como um meio para que se alcance os objetivos propostos no documento. Em seu preâmbulo, ela pede “que cada indivíduo e cada órgão da sociedade, tendo sempre em mente esta Declaração, se esforce, através do ensino e da educação, por promover o respeito a esses direitos e liberdades”. Este trabalho tem como objetivo contar a História de Paulo Freire, que, por ter dedicado grande parte de sua vida à alfabetização e educação da população pobre, passou a ser reconhecido como o patrono da educação brasileira, de acordo com a Lei nº 12.612, publicada em 2012. Para Paulo Freire “Educação não transforma o mundo. Educação muda pessoas. Pessoas transformam o mundo”.


Palavras chave: Direitos humanos, Educação, História, Paulo Freire.