REALIDADE SOCIOESPACIAL DE MORADORES DAS REGIÕES RIBEIRINHAS DE CABEDELO-PB.

REALIDADE SOCIOESPACIAL DE MORADORES DAS REGIÕES RIBEIRINHAS DE CABEDELO-PB.


Autores: Daniel Gustavo Corrêa de Aguiar; Emilly Kelly Martiniano; Isabella Vitória de Lima Cavalcante Oliveira Lopes; Jefferson Barros Vidal; Juliana Melo da Silva; Thayssa Martins de Menezes.


De forma geral, pode-se dizer que o presente trabalho versa sobre o processo de urbanização brasileiro – marcado fortemente pelo caráter seletivo e excludente da apropriação do espaço - e seus rebatimentos socioambientais. Mais especificamente, trataremos de pôr em relevo os problemas socioespaciais vivenciados pelas populações de baixa renda que, ante a impossibilidade de constituir moradia através do mercado imobiliário formal, habitaram áreas marginais aos rios que entrecortam as cidades brasileiras. Em Cabedelo, município litorâneo situado na região metropolitana de João Pessoa-PB, a situação não difere daquela encontrada em outras cidades brasileiras. Nele, também se notabiliza o caráter excludente do processo de urbanização sob o capitalismo periférico. Isso significa dizer que há, na referida urbe, diversas áreas marginais aos rios que foram ocupadas em desacordo com as boas práticas de preservação ambiental, sobretudo pela população de baixa renda, mas não apenas por ela, uma vez que há grande concentração de condomínios de alto padrão que também produzem toda a sorte de problemas socioambientais. A diferença é que apenas os pobres são vistos como invasores e destruidores da natureza. Portanto, esta proposta de trabalho visa analisar a realidade espacial em que vivem os moradores da região ribeirinha do mencionado município. Desse modo, pode-se dizer que nosso objetivo principal é apontar e descrever a degradação ambiental ao longo da margem do Rio Paraíba, no Bairro de Jardim Manguinhos, em Cabedelo, Paraíba. Cumpriremos essa tarefa sem esquecer, obviamente, das questões de cunho social que emolduram o quadro da área de estudos. Pretendemos, através de linguagem audiovisual, construir um material baseado em fotografias registradas pelos proponentes, entrevistas realizadas junto aos moradores da localidade e demais agentes envolvidos nos processos enfocados. Outro elemento indispensável em nossa análise será a indiferença e letargia do poder público quanto ao tratamento da problemática em tela, fato que prejudica o meio ambiente e a própria população. Considerando que a área escolhida para o desenvolvimento desta proposta circunda o IFPB - Campus Cabedelo, nossos estudos revestem-se de grande relevância, uma vez que busca entender nossa realidade sócio-espacial mais imediata, isto é, a comunidade na qual está inserida a nossa escola.


Palavras-chave: Região ribeirinha. Degradação. Marginais. Moradores. Realidade.